» » 22 dicas da Pixar para criar um storytelling perfeito

22 dicas da Pixar para criar um storytelling perfeito

postado em: Blog | 0
Uma ex-funcionária da Pixar revela os segredos da empresa para criar storytellings fenomenais.
Uma ex-funcionária da Pixar revela os segredos da empresa para criar storytellings fenomenais.

O Storytelling é uma das mais poderosas ferramentas de comunicação da atualidade – ou melhor, de toda a história da humanidade.

Contar histórias é algo inerente ao ser humano, e todo mundo gosta de ouvir uma boa história. Nos últimos anos o mercado corporativo tem investido pesando em técnicas de Storytelling para atrair e cativar seus consumidores. Vemos isso em comerciais de banco, de empresas alimentícias, de tecnologia, etc.

Todo mundo quer contar uma história bacana que inspire, emocione e – claro – aumente as vendas. E uma das empresas que sabe fazer isso como ninguém é a Pixar e seus inegáveis sucessos no cinema.

E para quem está buscando formas melhores de contar boas histórias e cativar sua audiência, a especialista Emma Coats, que trabalhou na Pixar por muitos anos e hoje atua como artista freelancer em Nova Iorque, revela 22 dicas que a empresa utiliza para criar um Storytelling que conquiste a emoção das pessoas. Veja abaixo:

22 dicas da Pixar para criar um storytelling perfeito

1 – Você admira um personagem mais pelo fato dele tentar do que por ele alcançar o sucesso.

2 – Tenha em mente o que é interessante para sua audiência, não o que é divertido para um escritor. Essas duas coisas são diferentes.

3 – Experimentar um tema é importante, mas você não saberá do que se trata uma história até que você chegue ao fim dela. Agora reescreva.

4 – Era uma vez um(a)_______. Todo dia, _______. Certo dia, ______. Por causa disso, ______. Até que finalmente ______.

5 – Simplifique. Concentre. Combine personagens. Elimine desvios. Você sentirá que está perdendo um conteúdo valioso, mas isso vai te deixar mais livre.

6 – No que o seu personagem é bom e onde ele se sente confortável? Coloque-o numa situação totalmente oposta a isso. Desafie-o. Como ele lida com isso?

7 – Pense no final antes de imaginar o meio. Finais são a parte mais difícil, por isso devem ser a primeira coisa a ficar pronta.

8 – Termine sua história, finalize mesmo que ela não esteja perfeita. Em um mundo ideal você consegue os dois, mas siga em frente. Faça melhor da próxima vez.

9 – Quando estiver preso em alguma ideia, faça uma lista de coisas que não deveriam acontecer em seguida. Na maioria das vezes o material que o desprenderá surgirá naturalmente.

10 – Separe as histórias que você gosta. O que você gosta nelas é parte de você; é preciso reconhecê-la antes de usá-la.

11 – Colocar no papel ajuda a melhorar a história. Se ficar na sua cabeça, a ideia perfeita não será compartilhada com ninguém.

12 – Descarte a primeira coisa que vem à sua mente. E a segunda, a terceira, a quarta, a quinta – tire o óbvio da sua frente. Surpreenda a si mesmo.

13 – Dê opiniões aos seus personagens. Passivos/maleáveis são mais fáceis de escrever, mas isso é um veneno para sua audiência.

14 – Por que você deve contar essa história? Qual é a motivação que te queima internamente e que alimenta essa história? Esse é o centro de tudo.

15 – Se você fosse seu personagem, nessa situação, como você se sentiria? Honestidade adiciona credibilidade a situações inacreditáveis.

16 – Quais são os riscos? Dê uma razão para torcer pelo seu personagem. O que acontecerá se ele não tiver sucesso? Crie todas as chances contrárias.

17 – Nenhum trabalho é um desperdício. Se algo não está funcionando, deixe ir e siga em frente – isso voltará à sua mente quando for necessário mais tarde.

18 – Você deve conhecer a si mesmo: A diferença entre fazer o seu melhor e apenas empolgação. História é testar, não refinar.

19 – Coincidências que colocam seu personagem em problemas são ótimas. Coincidências que os tiram dos problemas são trapaças.

20 – Treine: Pegue os blocos que constroem a história de um filme que você detesta. Como você os reordenaria para que ficassem de uma maneira que você goste?

21 – Você precisa se identificar com suas situações e personagens, não pode apenas escrever ‘destemido’. O que faz você agir dessa forma?

22 – Qual é a essência da sua história? Consegue resumi-la em uma frase curta? Se você souber isso, este é o seu ponto de partida.

Espero que essas dicas ajudem você a desenvolver roteiros e personagens de uma forma melhor.

E se você quiser adicionar técnicas de Storytelling para os produtos e serviços da sua empresa, clique no botão abaixo e veja o que eu posso fazer por você.

Comente usando seu perfil do Facebook

comentarios

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.